Eu não considero besteira ser responsável, assim como não vejo nada errado em “soltar” meus filhos com outras crianças e adultos, enquanto eu estiver por perto, monitorando. Claro que na medida que o tempo passa e eles crescem, sabendo se defender, a guarda vai aliviando. Quanto a saber criar os pets, isso depende muito de como se adestra. Já vi adestrador cuidando de animais para guarda, o que nem sempre é de bom convívio familiar, porque ele se torna por demais territorialista. Por outro lado, esse é ponto crucial, há coisas que o adestramento não alcança, quando é inato (há um bom debate entre nature vs. nurture) e aí é loteria. Por isso eu disse que era irresponsabilidade deixar crianças pequenas junto a pets e, além do mais, pets precisam de espaço. Isso de deixá-los dentro de casa com crianças não vejo como algo bom para o próprio animal.

Um caso emblemático de ignorar a natureza de certos animais foi o da orca que matou adestradora em Seaworld, a Tilikum, que fora resgata do Canadá e levada para a Flórida. Acho que é ponto pacífico que os adestradores do Seaworld entendem de comportamento animal, mas mesmo vendo sinais de agressividade, uma adestradora insistiu e foi morta por uma delas anos atrás. O adestramento tem limites e não percebe-lo, só para vender segurança ao invés de orientação, é o pior auto-engodo que existe.

Gosta do seu cão? Beleza, mas lembre-se: é um… – Anselmo Heidrich