Le Monde reporta que o vídeo gerou intensos protestos. O jornal reproduz a nota da Confederação Israelita do Brasil (Conib): “Imitar a visão [de Goebbels] é um sinal assustador […] Essa pessoa não pode controlar a cultura do nosso país”, condenou a entidade. Acrescenta que autoridades religiosas, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e a embaixada de Israel também se manifestaram horrorizadas.

Sem dúvida, Bolsonaro reagiu para não perder o apoio de seu “amigo” Benjamin Netanyahu, avalia o vespertino francês. O chefe de Estado brasileiro afirmou sua “rejeição a ideologias totalitárias e genocidas” e seu “apoio total e irrestrito à comunidade judaica ”.

Le Monde lança o termo “Goebbolsonarista” e aponta mais nazistas no governo Bolsonaro – Brasil 247