Busca

Anselmo Heidrich

Defendo uma sociedade livre baseada no governo limitado e estado mínimo.

Tag

previdência social

A urgente reforma da previdência – II

Saca só, ao invés de falar em “fim dos benefícios” acorde e aprenda que a previdência significa MANUTENÇÃO DE PRIVILÉGIOS. Então, ao invés de papagaiar a retórica dos sindicatos e funcionários públicos de alto escalão que acumulam cargos e se aposentam com altos salários, apenas admita que ninguém deve ter um benefício superior aos que como nós teremos um teto de no máximo cinco salários mínimos, apenas admita que na aposentadoria se gasta menos que na juventude e que agora é que é a hora de ganharmos mais e podemos poupar (e não o contrário), apenas admita que viver mais implica em trabalhar mais (daí a necessidade de estender o tempo de contribuição) e, mais importante, apenas admita que o fundo a que devemos destinar não DEVE SER O ESTATAL-GOVERNAMENTAL e também NÃO NOS DEVE SER IMPOSTO. Devemos optar por qual fundo de pensão nos interessa.

Anselmo Heidrich

A Urgente Reforma da Previdência[*]

As razões para a reforma são simples, são demográficas. O Brasil sofre um processo de envelhecimento e está sendo rápido. Nos anos 80, a população de jovens era muito maior que de adultos, mas nos anos 90 se inverteu esta relação. E nos anos 2000 ficou ainda mais crítica com a redução proporcional de jovens, inversamente proporcional ao aumento de idosos.

O desequilíbrio se reflete nas finanças públicas na medida que as aposentadorias são corrigidas pelo aumento do PIB e da inflação. Como mais e mais aposentados estão se aposentando, sem o devido aumento proporcional da produtividade do trabalho, isto significa que o estado brasileiro tem que arcar com mais benefícios do que é capaz de arrecadar para sua manutenção. Estamos gastando mais recursos do que depositando no fundo previdenciário. Não vejo outra forma de enchê-lo sem aumento de impostos, caso o governo não faça a reforma previdenciária.

Há mais razões para uma reforma: o setor público pode se aposentar com 100% de seus rendimentos, enquanto o mesmo não ocorre no setor privado que apresenta um teto máximo de cinco salários mínimos. Há mais distorções, os trabalhadores rurais se aposentam com apenas um salário mínimo aos 65 anos, mas nunca tiveram que contribuir com nada. Na prática, o Brasil investe mais em idosos do que em jovens porque este benefício é mais amplo do que o Bolsa-Família.

O problema é que há pontos da reforma que realmente causam indignação, como a aposentadoria (integral) de políticos após, apenas dois mandatos. Embora este seja um valor total insignificante perante o volume de gastos com a aposentadoria, ele é profundamente imoral. Se quisermos o apoio da população em geral às reformas é fundamental que se ataque privilégios de qualquer casta política ou de altos funcionários do setor público. Professores também fazem muito barulho se declarando injustiçados pelo sistema e pleiteiam benefícios como o pagamento por insalubridade e a aposentadoria precoce. Cabe lembrar que professores não atuam em terreno tão insalubre quanto lixeiros e estes não têm condições privilegiadas, quanto ao tempo de aposentadoria para haver um mínimo de racionalidade no que pedem, deveriam contribuir proporcionalmente mais se é que querem mesmo se aposentar mais cedo. Militares também podem se aposentar mais cedo, mas cabe lembrar que têm regime de trabalho diferenciado, sendo escalados para trabalhar aos finais de semana, além de serem deslocados de residência para diversas partes do país.

Enfim, a reforma da previdência “é para ontem”, mas estas injustiças embutidas, graças aos privilégios do setor público é que a torna aquém do ideal.

 

a.h

[*] Confiram o comentário de Fernando Raphael Ferro de Lima, Reforma da Previdência https://youtu.be/V1YAKikseSQ, no qual nos baseamos, sobretudo porque vai muito além deste breve resumo.

Dia de Lutas, eles disseram…

Por Anselmo Heidrich

pirâmide etária

Pois é, os sindicatos são contra a perda de direitos historicamente garantidos, como a aposentadoria em determinada idade e tempo de contribuição, mas não se perguntam quem irá pagá-los. É justo que se receba devido a um contrato firmado se e somente se houver como cumpri-los. Toda previdência depende de quanto se está arrecadando porque o que já foi arrecadado já foi gasto e os tempos de Getúlio Vargas, em que havia 8 trabalhadores na ativa para sustentar 1 inativo, no caso, aposentado já se foram há muito, junto com o suicídio do caudilho. Hoje talvez tenhamos dois para um, com grandes chances de redução na proporção devido à atração da informalidade para fugir de nossos escorchantes impostos.

Mas será que a oposição ao governo Temer formada basicamente por interessados na eleição de Lula pensava assim há… Digamos, cerca de UM ano atrás? Acho que não:

“Vamos ter que encarar a reforma da Previdência. Não é possível que a idade média de aposentadoria no Brasil seja 55 anos. Para a mulher, um pouco menos. Não é possível por uma questão quantitativa. Vai ter menos gente trabalhando no futuro para sustentar mais gente sem trabalhar, os mais velhos que vão ter uma longevidade maior e os mais novos, que estão nascendo”, afirmou Dilma, em um café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto.[1]

E o que dizia Lula a sua rede de blogueiros petistas?

“A Previdência, de vez em quando, deve ser reformada. Quando a lei foi criada, se morria com 50 anos. Hoje, a expectativa de vida é de 75 anos”, destacou nesta quarta-feira (20/01).[2]

O que mudou de lá para cá para essa gente não foi a composição etária da população brasileira, o percentual de jovens continua reduzindo e o de idosos aumentando. O que mudou foram os ventos políticos, pois agora é hora de militar e ser oposição de qualquer jeito aproveitando o projeto impopular, mas necessário de reforma previdenciária para lucrar politicamente com isto. Este é o PT que nunca se cansa de manipular sua ampla massa de manobra.

Liberte-se do oportunismo; liberte-se da manipulação.

 

[1] Dilma diz que Brasil vai ter que encarar a reforma da Previdência http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2016-01/dilma-diz-que-brasil-vai-ter-que-encarar-reforma-da-previdencia. Acesso em 15 mar. 17.

[2] Previdência deve ser reformada de vez em quando, diz Lula a blogueiros http://epocanegocios.globo.com/Economia/noticia/2016/01/previdencia-deve-ser-reformada-de-vez-em-quando-diz-lula-blogueiros.html. Acesso em 15 mar. 17.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑