Busca

Anselmo Heidrich

Defendo uma sociedade livre baseada no governo limitado e estado mínimo.

Tag

Jair M. Bolsonaro

Biden vs. Bolsonaro

 Escute o episódio mais novo do meu podcast:   Biden vs. Bolsonaro https://anchor.fm/anselmo-heidrich/episodes/Biden-vs–Bolsonaro-em2dhv Jair Bolsonaro não entende as declarações de John Biden e sua predileção por um dos candidatos prejudica em muito as relações saudáveis e pragmáticas  que deveriam existir entre estados.

Interceptor

150 anos de Lenin e uma eternidade de mentiras

Hoje faz 150 anos do nascimento do líder da Revolução Russa, #Lenin. Agora, vejam este pequeno vídeo, com um original de 1937 e outro dos anos 60. Sabem quem “desaparece” dali? #Stalin. Pois é, já naquele tempo tinha fake news. Entendam que essa tática de “eliminar o passado”, o chamado Revisionismo Histórico, é coisa usual, sempre existiu na política e sempre vai existir, como prova o atual governo tentando ocultar o passado de #JairBolsonaro. Então, mostre isso para o GADO quando uma rês vier te falar em “nova política”…

On Lenin’s 150th birthday, check out the crudely ingenious ways the 1960s retouched version of the 1937 film “Lenin in October” removed all sign of Stalin from the action. Compare the two versions below and watch out for disappearing Iosif…

@shaunwalker7

150 anos de Lenin, uma eternidade de mentiras https://youtu.be/wemnLKiR1g8 via @YouTube

O que eu achei da declaração do Presidente?

O que eu achei da declaração do Presidente da República hoje culpando a mídia, chamando as pessoas que se resguardam de histéricas, atacando prefeitos e governadores que têm sido proativos, se auto-elogiando por ter sido um “atleta” e que se for contagiado, no máximo, pegará uma “gripezinha”? O que eu achei dele??

Costumo boicotar este tipo de mensagem que foge ao tema principal do grupo, mas acho pertinente colocar uma opinião sobre uma decisão que terá reflexos diretos em nossas vidas. Tentarei faze-la com um máximo esforço para não ofender ninguém…

A República hoje funciona como uma balança e a depender do atual rumo dos acontecimentos, ela penderá cada vez mais para os governadores, que estão em um avançado cabo de guerra com o governo federal. Bolsonaro está cada vez mais isolado e por mais que queira lutar contra a estagnação econômica, tanto em termos de comunicação como de articulação política está falhando.

Quando digo ‘comunicação’ me refiro não só ao público em geral, mas à outras instâncias de poder, como os governos estaduais, prefeituras e, sobretudo, o Congresso Nacional. Se ele não mudar de postura e aprender a dialogar, temo que uma crise política leve a problemas mais duradouros em nossa economia.

O pior dos cenários, no entanto, ainda não está claro para mim (ainda bem), que seria uma cisão entre os militares que integram seu governo. Quero crer – e aqui uso de meu declarado wishful thinking – que haja uma homogeneidade e consonância na postura dos membros do exército que integram o governo, pois guerras civis são vitaminadas quando as forças armadas se dividem.

Bolsonaro repetiu diversas vezes que vivíamos um período similar ao pré-1964… Custei admitir que sim e que ele tem razão, com a grande diferença de quem irá ser derrubado é quem ele menos imagina: o próprio.

Quanto às declarações em si do Presidente, eu me esforço aqui para me conter e não expelir todo o rosário de impropérios que conheço contra esta pessoa.

Torçamos por nós.

Já houve algum presidente tão bom quanto Bolsonaro?

Minha resposta a Já teve algum presidente que chegasse a fazer tanto pelo Brasil como Bolsonaro? https://pt.quora.com/J%25C3%25A1-teve-algum-presidente-que-chegasse-a-fazer-tanto-pelo-Brasil-como-Bolsonaro/answer/Anselmo-Heidrich?srid=n4EX2

Se você se inteirar do que foi o governo de Juscelino Kubitchek e seu programa, incompleto, dos “50 anos em 5” verá que houve um brutal desenvolvimento no país, mesmo que tópico e não geral. Se tomarmos o que foi o Plano Real e sua revolução no consumo, o primeiro governo FHC aliado ao programa de privatizações foi um marco na história do Brasil (malgrado não tenha continuado criativo no segundo mandato). Bolsonaro, por sua vez, tenta aos trancos e barrancos aprovar reformas parciais, como a da Previdência e, embora haja ministérios com bom desempenho (Infraestrutura, Economia, Agricultura, Saúde), outros como a Educação e as Relações Exteriores variam de ruim à péssimo, sem nem falarmos no próprio Executivo que cria crises totalmente desnecessárias, como se ainda estivesse em campanha eleitoral. Eu gostaria de chamar de um “governo medíocre”, mas sinto dizer, inclusive para mim, que é pior do que isto porque está abaixo da média. Sei bem das dificuldades herdadas pelo descaso, corrupção, incompetência e crimes corporativos dos governos anteriores, mas isto não serve como desculpa para criar toda uma outra ordem interminável de crises desnecessárias, inclusive atacando órgãos e agências governamentais nas quais deveria se pautar. Se, por outro lado, IBGE, INPE, MEC etc. “não se mostram mais confiáveis”, que se reformule, se readapte, que se critique, **PROFISSIONALMENTE, **e não de modo a tratar uma questão séria e complexa como um “barraco”, pois pior do que a má impressão é a impressão de não resolutibilidade e efeito positivo. Se os govenos anteriores mentiam sobre “a esperança venceu o medo” não adianta apenas matar a esperança. O que falta, além de um norte moral claro é a capacidade técnica e não adianta, portanto, colocar “amigos” e “simpatizantes da causa”. Se você não domina a diplomacia, caia fora, se você não domina a educação, caia fora, se você não domina a legislação e a laicidade, caia fora. Não há problema em ser religioso, desprezar a ciência e ser truculento, desde que você não queira governar uma nação dessa forma. A corrupção anterior não serve como passe-livre para manter uma corrupção atual em menor escala e descaso com a lei, a competência técnica e o respeito ao próximo.

Porque Bush deveria ensinar Trump e Bolsonaro a combater incêndios florestais

George Walker Bush 10

VS.

Jair Messias Bolsonaro + Donald John Trump 0

Por quê?

Vamos aos exemplos, nada melhor do que os exemplos:

Em agosto de 2018 a Califórnia ardeu em incêndios e o presidente Trump culpou a legislação ambiental por obrigar a desviar águas do estado para o Oceano Pacífico.* Até faria sentido, se fosse o caso… Na verdade, a utilização das águas serve a vários setores no estado californiano, inclusive como reserva para áreas naturais estratégicas e, em último caso, o que sobra é desviado para o oceano (verificar link da matéria citada na nota abaixo). Por fim, como “bom político” que é ignorou o que disse após ser corrigido e insistiu culpando o governador da Califórnia, Jerry Brown por desviar águas para o Pacífico. Ou seja, Trump é do tipo que pego no flagra continua negando até o fim, simplesmente negando e caluniando os demais.

Quando pensamos no “Trump brasileiro”, como gosta de se auto-denominar Bolsonaro, dá até para desconfiar que haja um assessor comum para ambos.

* Veja aqui a série de bobagens tuitadas sobre os incêndios florestais pelo presidente Trump: Tuíte de Trump sobre incêndio mortal na Califórnia “incendeia” internet https://exame.abril.com.br/mundo/tuite-de-trump-sobre-incendio-mortal-na-california-incendeia-internet/ via Exame

Bolsonaro, como sabemos, cogitou que ONGs pudessem ter ateado fogo na Amazonia e tudo que se sabe até o momento foi que, aliado ao período normal de seca para a região, produtores locais combinaram de provocar incêndios. Ao que um dos mandantes já foi preso sob esta acusação,* sem quaisquer envolvimentos com ONGs como foi sugerido pelo Presidente.**

* Suspeito de provocar incêndios em áreas de floresta, no Pará, é preso | Jornal Nacional | G1 https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/08/29/suspeito-de-provocar-incendios-em-areas-de-floresta-no-para-e-preso.ghtml .

** Homem preso por incêndio no Amazonas não foi pago por ONGs ou movimentos sociais https://aosfatos.org/noticias/homem-preso-por-incendio-no-amazonas-nao-foi-pago-por-ongs-ou-movimentos-sociais/ #factchecking

Mas nós teríamos algum líder mundial que seja uma referência no tratamento a esta questão? Temos sim, ou melhor, tivemos e ele se chama George W. Bush, presidente dos Estados Unidos entre 2001 e 2009. Em eu escrevi o seguinte artigo para o site Mídia Sem Máscara:

Bushfire

por Anselmo Heidrich em 24 de janeiro de 2004

Resumo: Já faz algum tempo a notícia soava como escândalo, Bush quer cortar árvores para impedir incêndios e uma chuva de spams, mais tentando incendiar do que apagar a proposta do presidente americano se disseminou pela web.

© 2004 MidiaSemMascara

Já faz algum tempo a notícia soava como escândalo, Bush quer cortar árvores para impedir incêndios e uma chuva de spams, mais tentando incendiar do que apagar a proposta do presidente americano se disseminou pela web. Ironias dos internautas como mais uma “solução genial de Bush”, associadas às contumazes “falhas” e “lapsos” de jornalistas eram algumas gotas no oceano de calúnias que se tornou comum em torno do nome de Bush.

Enquanto nossos jornalistas tupiniquins entendem que “podar” pode significar o mesmo que “cortar” árvores, para a engenharia florestal não é bem assim. Há uma sensível diferença entre cortar totalmente a árvore impedindo que ela cresça e poda-la nos galhos impedindo que um incêndio se alastre pela mata. Mas como se diz por aí, uma calúnia é como a cinza jogada ao vento que ninguém consegue agarrar:

“O presidente americano, George W. Bush, defendeu nesta segunda-feira seu plano de cortar árvores de florestas nativas (…)” e “nós devemos podar nossas florestas”

(AFP/notícias UOL, 11/08/2003).

Mas como o ambientalismo é cheio de contradições, não me surpreendeu quando lia Ecologia do Medo de Mike Davis, um professor de teoria urbana californiano e, claramente ligado aos movimentos da esquerda americana. O livro é basicamente uma crítica à especulação imobiliária da Califórnia Meridional, mas não deixa de ser coerente quanto à pesquisa factual. Independente das conclusões que Davis possa tirar, isto não me impede de utilizar seus próprios dados que, justamente, pela sua afiliação ideológica, me deixam a vontade para usa-los, ou seja, usar o veneno da esquerda contra ela própria.

Por que é importante ter um plano de manejo ambiental como proposto por Bush? Acho que os dados abaixo, levantados por Davis, falam por si:

TEMPESTADES DE FOGO EM MALIBU, 1930–96

Ano e mês Localidade Hectares Residências Mortes

1930, outubro Potrero 6.000

1935, outubro Latigo/Sherwood 11.554

1938, novembro Topanga 6.700 351

1943, novembro Woodland Hills 6.200

1949, outubro Susana 7.710

1955, novembro Ventu 5.106

1956, dezembro Sherwood/Newton 15.165 120 1

1958, dezembro Liberty 7.215 107

1970, setembro Wright 12.500 403 10

1978, outubro Kanan/Dume 10.100 230 2

1982, outubro Dayton Canyon 22.000 74

1993, novembro Calabasas/Malibu 7.500 350 3

1996, outubro Monte Nido 6.000 2

Total 1636 16

Mais pequenos incêndios aprox. 2.000

[Fonte: Registros do Los Angdes Fire Department.]

Tais dados poderiam ser negados por quem quer que seja como trágicos? Isto significa encampar a tese da destruição completa das florestas para manutenção das habitações? Não, pois não é disto que se trata, mas da simples poda das árvores embasada em técnicas de engenharia florestal para evitar desgraças humanas e compatibilizar um equilíbrio entre sociedade e ambiente.

Pode se observar nas fotos de satélite da NASA os últimos incêndios californianos em novembro passado:

http://visibleearth.nasa.gov/data/ev261/ev26153_California.A2003331.1840.721.500m.jpg

Mas se os socialistas travestidos de ambientalistas são tão bons para criticar as propostas republicanas de manejo ambiental, o que proporiam a isto?

http://visibleearth.nasa.gov/data/ev259/ev25950_Peru2.A2003244.1815.1km.jpg

Os focos em vermelho correspondem aos incêndios na fronteira amazônica entre Brasil e Peru de setembro passado que são bem, mas bem mais intensos que os fogos norte-americanos.

A origem desses fogos é a mesma que provocou o mega-incêndio de 1998. À época, nossa “sensata imprensa” noticiou que uma área equivalente à Bélgica, baseando-se em imagens de satélite que retratavam a fumaça. Se, é verdade o dito popular que “onde há fumaça há fogo”, não é verdade no entanto, que a extensão do fogo é a da própria fumaça. A área queimada na Amazônia brasileira foi enorme sim, mas não do “tamanho da Bélgica” e sim equivalente à área urbana da cidade de São Paulo. Também não foi verdade que este mega-incêndio ocorreu em área florestal, mas em savanas[1], o cerrado de Roraima (llaños, como são conhecidos na vizinha Venezuela), tendo se expandido para as matas posteriormente.

Os ambientes mediterrâneo do sudoeste americano e superúmido da alta floresta amazônica são muito distintos, necessitando de manejos distintos — a poda não seria possível em nosso caso. Mas o que se vê é uma falta generalizada de informação, pressa na apresentação dos fatos e dados e um “molho crítico” de um esquerdismo que beira a infantilidade. Se Bush propõe uma solução passível de crítica por técnicos e especialistas do setor, não se quer saber, pois ele pode levar algum crédito com isto. Se no Brasil, malgrado ano de El Niño, fenômeno climático que provoca anomalias climáticas globais, muito difundido e pouco entendido, coincide com a estação das queimadas, a culpa é totalmente do governo que não faz nada. Ou seja, a população local com suas técnicas arcaicas, num passe de mágica, é totalmente isenta de sua responsabilidade. E se as ONGs ambientalistas, líderes europeus, a própria ONU sugerem que a própria Amazônia brasileira (e dos países vizinhos) deva ser administrada por uma comissão internacional, nada parece indignar nossa incauta imprensa ávida pelo antiamericanismo que ajuda a engrossar._

O que nossos militantes cegos pelo ódio aos EEUU lembram? De uma mentira amplamente divulgada na internet, um conhecido hoax que volta e meia retorna, de um suposto livro de geografia escrito para o ensino médio nos EEUU que defende a Amazônia como área de controle internacional sob um projeto da ONU[2].

As queimadas (“coivara”) consistem numa ancestral e tradicional técnica indígena herdada pelos colonos pobres de preparar a terra para o plantio, inclusive de pastagens que devastam a biomassa. Não se trata de “grande capital” ou de “descaso da civilização capitalista”, mas de falta de adequação às técnicas de produção modernas e hipocrisia ambientalista que sustenta a exploração ambiental em moldes ultrapassados.

Talvez Bush tivesse alguma boa idéia para nós já que os próprios ambientalistas se perdem em informações falsas e análises tendenciosamente espúrias.

Links possivelmente “quebrados”:

[1] http://hps.infolink.com.br/psenna/roraima.htm

[2] http://www.quatrocantos.com/lendas/54_amazonia_finraf.htm

Imagem de destaque: “fogos na Amazônia em agosto de 2019” (fonte): https://en.m.wikipedia.org/wiki/File:Amazon_fire_satellite_image.png

Atentado e Histeria Coletiva

Tente adivinhar o que une políticos e sindicalistas do PT, CUT, PCB e PSL.

Em primeiro lugar, o óbvio, os criminosos envolvidos no atentado à Bolsonaro têm que apodrecer na cadeia. A Esquerda Brasileira é pródiga em adular criminosos e promover o chamado discurso de ódio, como o fez Gleisi Hoffmann ao dizer que “para prender Lula, vai ter que matar gente” ou o presidente da CUT, Vagner Freitas ameaçando manifestantes pró-impeachment ao convocar seus correligionários “ir para as ruas entrincheirados com arma na mão se tentarem derrubar a presidenta Dilma Rousseff”, ou o professor de sociologia na UFRJ, Mauro Iasi citando Bertold Brecht ao dizer que os conservadores merecem um “bom paredão, uma boa espingarda, uma boa bala, uma boa pá e uma boa cova” ao invés de um bom diálogo, ou o próprio Lula ameaçando manifestantes pró-impeachment com o “exército do Stédile” em ato “em defesa da Petrobras” e por aí vai. Ou seja, não é de hoje que há promoção da violência pelas hostes de esquerda. E claro que quando se promove algo assim, ainda que caoticamente, sem um plano preestabelecido se incentiva o pior, a violência e o assassinato. Mas não fica só nisso…

O recente comício de Bolsonaro dizendo que “temos que fuzilar os petralhas aqui no Acre” é o quê? Já li, inclusive, que não caracteriza discurso de ódio porque o “verdadeiro discurso de ódio” é o que foi feito por lideranças fascistas e comunistas. Quem diz isto nunca ouviu falar em gradação, certo? É verdade que discurso de ódio também se enquadra em liberdade de expressão, mas não é porque se é livre que não se deve ser responsável, não é porque tu podes falar o que quer que não deve responder por suas consequências e quando digo isto penso em efeitos danosos ou trágicos sobre outras pessoas. O que aconteceu é que a bala ricocheteou ou nem isso, pois uma figura pública dessas tem que se proteger. Analogamente, claro que uma mulher sedutora não deve ser estuprada ou indevidamente assediada, assim como quem falar besteira a torto e direito não deve levar uma facada, mas tu sabe que nessa estrada não basta dirigir corretamente, também tem que cuidar dos motoristas bêbados ou de direção perigosa que podem te atingir. Uma coisa é discutir a moralidade do fato, Bolsonaro foi vítima, todos sabemos disto, outra bem diferente é o senso pragmático da coisa, ele se expôs e sendo quem é, deveria saber dos riscos que corria. E só um sujeito com Q.I. de ungulado para entender isto como relativização da culpa, trata-se simplesmente de análise de causas e efeitos, além da probabilidade de se encontrar psicopatas no caminho. Ou você entende isto ou você pode espalhar vídeos do Olavo de Carvalho dizendo que o comunismo matou mais gente que todos os flagelos mundiais, o que não é mentira, mas que desloca o fato ocorrido, a incitação da violência para outro lugar, que não o da racionalidade e objetividade ao dizer que por serem de criminosos de esquerda, toda a esquerda é intrinsecamente genocida. Vai sofismar assim na Astrologia, Olavo… Ele também lançou a pérola de que Bolsonaro apenas incentiva a violência na forma de justiça para defender o povo, outra balela! Quando se propõe isso a um criminoso que atenta contra a vida de alguém se chama defesa, mas quando se atenta contra quem pensa diferente, como os “petralhas”, não é justiça, não é ação correta de polícia contra o crime, mas sim ato de polícia política. Olavo de Carvalho mesmo, de sua longínqua distância onde espalha insensatez em segurança e se esconde covardemente dos eventos em que opina insanidades clama para que “essa gente” que critica os discursos de Bolsonaro sejam “banidos da vida pública”. O que significa, exatamente, ser banido da vida pública, alguém pode me dizer? Banido, no caso, se aproxima muito de ser excluído, eliminado etc.

Não, não se trata de dizer que, no fundo, “é tudo culpa da Direita”. Não, não é, o discurso recorrente e frequente vem das hostes esquerdistas sim e de tanto falar, um louco ouve e age, incentivado pelos colegas e por quem ele vê como um inimigo declarado, propondo algo similar. O clichê de que violência gera violência não é algo irrelevante, mesmo que às vezes, raras vezes, a violência seja o último recurso de defesa. O problema é que quando se banaliza o recurso, ainda que como pregação eleitoreira, não vai ser difícil alguém entender o limite estendendo-o e divergindo de nós sobre quando se deve utilizá-lo. E é quando se flexibiliza este limite de aceitação da violência que o caldo transborda.

Desde 2014, que atuei nas manifestações pró-impeachment de Dilma Rousseff em Florianópolis, na organização e como orador nos carros de som. Levamos, em diferentes ocasiões, 500, 30, 30.000, 60.000, 100.000 pessoas ou mais às ruas da cidade. Para uma cidade que não chega a 500 mil hab foi um sucesso incomparável. Em vários episódios, quando sabíamos que havia poucas dezenas de petistas buscando o confronto, em percurso contrário ou nos esperando no local de destino fomos unânimes em dizer não continuamos e paramos por aqui. Embora estivéssemos com inquestionável vantagem numérica e ao lado da polícia, pois havíamos feito requerimento para o ato previamente, sempre evitamos o confronto direto. Apesar de já termos ganho moralmente e eles perdido, eu tive que aturar sim, babacas com o cérebro encharcado de ira juvenil dizendo que refugamos e deveríamos “lutar até o fim”, como se lutar aqui significasse esmurrar quem discorda de ti. Passado mais de um ano, quando os sanguessugas do dinheiro público em Florianópolis quiseram homenagear o condenado Lula com o título de “Cidadão Catarinense” estivemos lá protestando, mas desta vez a massa de sindicalistas comprados também veio. Outros tempos, alguns colegas quiseram o confronto e mais de uma vez, tentei dissuadir o povo, só que dessa vez sem o mesmo sucesso. Quando desci do caminhão uma senhora com muito sobrepeso veio me falar, pensei que seria elogiado ou indagado sobre o que faríamos agora e o que ouvi foi algo mais irracional que um asno chapado em exame psicotécnico “palhaçada, que palhaçada!” Quando achei que já tinha ouvido o bastante, um idoso coxo e indignado reclamava, me mostrando o pixuleco (boneco inflável do Lula com traje de presidiário), “agora que comprei isso aqui, o que eu vou fazer?” Sim, o que esses idiotas queriam é que eu incitasse nosso grupo com crianças, idosos, jovens, mulheres direto para o caldeirão com sindicalistas ociosos com a cabeça cheia de cachaça. Eles queriam sangue, mas estes são os mesmos que berram e se escondem na multidão. Depois, em frente a Assembleia Legislativa perdemos muito tempo contendo bêbados que se atiravam em frente à polícia tentando causar tumulto. Não, eu seria injusto se dissesse que é a maioria, nunca é, mas é a minoria suficiente para induzir uma multidão despersonalizada rumo à sangria. Esses são aqueles que berram e dizem asneiras para depois não entender o porquê de levarem tiros, pedradas ou facadas. Não se enganem, é fácil se despersonalizar junto à massa, como quem berra em um jogo de futebol pelo seu time, pois é disso mesmo que se trata para muitos, um jogo de expiação em que tenta se atingir o Judas alheio. Fato Social como dizia Émile Durkheim, em pleno curso. Minha vó em vida relatara diversas vezes como viu o povo gaúcho chorando compulsivamente a morte do suicida Getúlio Vargas, décadas depois foi a vez de Brizola morrer e causar comoção popular nos pampas e bem recentemente, após a queda do avião que levava o time da Chapecoense e seu culpado ter morrido junto (o piloto e dono da companhia aérea), eu vi muita gente discutindo e brigando por questão de interpretação. Esses casos de histeria coletiva não terão sido os últimos e vão se repetir, pois fazem parte de nossa característica gregária e imitativa, um espírito de lemingue que nos joga no precipício. Lembro aqui da comoção gerada pela morte do aiatolá Khomeini no Irã, líder da revolução islâmica, que pôs a sociedade ilustrada do país refém de uma elite político-religiosa. E não se enganem se acha que não podemos chegar a isso, com uma bancada organizada e crescente fazendo interpretações bíblicas de nossos confrontos políticos. O problema é quando se combina em momentos de efervescência e irracionalidade com aproveitamento político. Quando um idiota diz que “gosto do Amoedo, mas agora é guerra e vou voltar em Bolsonaro”, provavelmente nunca entendeu ou teve convicção de concordar com as propostas do Partido Novo. Além da grande maioria de quem está repassando isto ser mesma de partidários do partido venal chamado PSL e espera capitalizar politicamente com a vinda do Messias, no caso Jair Messias Bolsonaro, pois o povo adora o arquétipo de Jesus Cristo que ressuscita.

Jair Messias Bolsonaro, sinceramente eu estimo suas melhoras e gostemos ou não, não será tão facilmente esquecido… Como esquecer aquele deputado em que um passado não muito longínquo disse que FHC deveria ser fuzilado por privatizar a Vale do Rio Doce, lembram? Que disse que para começar a mudar as coisas, 30.000 tinham que morrer, porque “através do voto não vai mudar nada” etc. Ou que “sou favorável à tortura”, que há pouco mais de uma semana usou uma “linguagem figurada” em que tínhamos que “fuzilar petralhas”. Esse sujeito é, como dizem, o perfeito exemplo de uma vítima das circunstâncias, mas como já disse Ortega y Gasset “eu sou eu e as circunstâncias”, então, se tirarmos as circunstâncias de Bolsonaro, sobra o quê? Afinal, as circunstâncias que o acompanham parecem sempre as mesmas, adversas. Em resumo, como se diz popularmente, quem procura acha.

Não digo isso apenas porque ele é um sujeito beligerante, um típico político que fala muito bem ao sabor dos caudilhos latino-americanos e que casualmente trocou o sinal de admirador de Hugo Chávez por Donald Trump, mas porque provocando como faz, isso poderia acontecer. Claro que a culpa sempre será de quem ergueu e cravou a faca, a culpa é do sujeito e seus colaboradores, mas por isso mesmo que culpar uma linha de pensamento, por mais estúpida que seja é digno da escória que deseja capitalizar politicamente com o fato, como se fossem uma polícia de pensamento. E creiam-me, eles estão a solta agora mesmo, neste instante.

Anselmo Heidrich

08–09–2018

Fernando Holiday Vs. Ciro Gomes

Que a ameaça de Ciro, caso eleito é um absurdo, um acinte ao estado de direito não resta dúvida, mas o caso em si é uma falácia. Por acaso a direita também se rendeu ao politicamente correto? O que há de racismo em chamar alguém de “capitão do mato”? Há sim um argumento tosco aí, típico de quem não tem argumento. Isso deveria ser explorado para atacar Ciro Gomes e não ficar tolhendo sua liberdade de expressão que convenhamos, o candidato tem todo o direito de bancar o idiota. Caso não tenham percebido, este processo contra Ciro Gomes é análogo ao feito contra Bolsonaro por este ter se referido aos negros em arrobas. Ora, todos nós pesamos e podemos ser mensurados em quilos, arrobas etc. Não há racismo aí também. O que temos hoje em dia é uma verdadeira síndrome de mimimi, até parece que vivemos em um novo período geológico, o Mimioceno… Se criticamos um negro, tudo vira racismo; se criticamos uma mulher, tudo vira machismo; se criticamos um gay, tudo vira homofobia e assim por diante. Disto tudo só posso concluir que o autor da ação, “Fernando Holiday” é ignorante ou um oportunista porque sabe muito bem o que está fazendo e tenta capitalizar politicamente em cima da estupidez de Ciro? Fica a dúvida, a insegurança e a certeza de que candidatos que falam demais e que temem demais não merecem meu voto.

Cf. Ciro Gomes ataca promotora que abriu inquérito por injúria racial contra ele https://www.boletimdaliberdade.com.br/2018/07/18/ciro-gomes-ataca-promotora-que-abriu-inquerito-por-injuria-racial-contra-ele/

Anselmo Heidrich

18–07–2018

Fanáticos e Fracos

 

Look in my eyes, what do you see?
The cult of personality
I know your anger, I know your dreams
I've been everything you want to be
I'm the cult of personality
Like Mussolini and Kennedy
I'm the cult of personality...
Like Joseph Stalin and Gandhi

I'm the cult of personality

The cult of personality, Living Colour

O problema em se cultuar alguém ou algo é a crença em sua infalibilidade. Pior, mesmo que acidentes de percurso ocorram se fará de tudo para desviar atenção ou foco dos problemas para não admitir nenhum erro de seu objeto de culto. O fã político ou fanático é, por excelência, pior, muito pior do que seu ídolo que, muitas vezes, é alguém politicamente pragmático utilizando todas suas armas para se eleger ou reeleger. Tivemos exemplo recente nesta Greve dos Caminhoneiros… Candidatos ao cargo máximo do país, a presidência da república que deveriam dar exemplo de ponderação e calma nas palavras proferidas preferiram pôr gasolina na fogueira, já que esta faltou nos postos de combustível.

Sim, eu estou me referindo à Jair Bolsonaro, a quem já demonstrei apoio, mas que nesse caso se revelou despreparado e sujeito à influência e calor do momento querendo e propondo pressionar este governo federal para ceder aos anseios dos grevistas sem nem sequer se perguntar se:

  1. O movimento grevista tinha propostas coerentes e sustentáveis?
  2. Havia um compromisso das partes em acatar soluções mediadoras, ainda que incompletas?
  3. Não havia manipulação com fins eleitoreiros ou políticos por detrás dessa greve?

O que eu também não entendi foi o papel de dois economistas ligados ao candidato, Paulo Guedes e Adolfo Saschida que nada fizeram ou se fizeram, foram inócuos para influenciar o candidato a uma postura mais razoável. Sinceramente, se são liberais deveriam explicar, minimamente, o que ocorria no setor de transportes, na produção e distribuição de derivados de petróleo e nas distorções de mercado provocadas pelo PT para saber se havia como proceder diferente. O problema que ele, assim como muitos acreditam, ingenuamente, que a conta da corrupção, por maior que seja, seria suficiente para compensar o déficit no setor com mais subsídios, caso estes valores fossem ressarcidos ou a torneira dos desvios fosse fechado. Não, não era suficiente, não é e nunca foi, por mais danosa que seja essa anomia social. Assim como os gastos públicos indevidos, imorais, mas infelizmente legais que oneram nosso erário com a conta da previdência social que se torna cada vez mais insolvente. Tudo isto teria que ser explicado, didaticamente, ao candidato em uma hora ou mais antes dele sair dizendo besteira em um vídeo de What’sApp. Mas não, rápido para julgar, devagar para entender como um aldeão participando de uma caça às bruxas, o mito arrebanha seguidores tão desprovidos de raciocínio e lógica quanto ele próprio.

Agora pense no seguinte: em outubro essa peça é eleita e no ano seguinte, a máquina pública brasileira cada vez mais insustentável não consegue honrar seus compromissos e o mito se liquefaz tendo que enfrentar mais greves e movimentos pleiteando Intervenção Militar! O que faz esse figura? Vídeos pedindo calma e compreensão para depois outros prometendo combater os agitadores para depois outros acusando os movimentos de terem infiltrados para depois acusando os próprios movimentos para depois propor uma repressão geral por absoluta inépcia desde o princípio. Agora vem o pior, o que farão seus fãs-fanáticos? Negarão, negarão e enrolarão dizendo que tudo é culpa da mídia, da Globo, de George Soros, da conspiração, dos poderosos globalistas aliados com a Esquerda Mundial, a ONU e toda sorte de bobagens que já vem sendo destilada por essa direita burra e acéfala que se esforça por superar sua contraparte de esquerda que já ganhou vários prêmios na capacidade propor o atraso. 

Só te digo uma coisa bolsominion, não diga que eu não te avisei. Essa postura arrogante, imediatista, burra e fanática de vocês poderá trazer o caos sim. E aí, com apoio do General Mourão e a possível oposição do sensato Comandante Geral das Forças Armadas, o General Villas-Boas podemos ter o nosso maior pesadelo: o Exército dividido. Nestas horas, eu que sou um velho ateu só posso rezar para eles permaneçam unidos e ponham este afobado nos trilhos, como fez Mourão ao comentar a desordem que tomava conta do país. Menos mal… Se Bolsonaro não ouve seus economistas — ou esta dupla não serviu pra nada –, pelo menos se arrepiou com as palavras do General e fez um outro vídeo apaziguador, pedindo calma aos caminhoneiros, que não destruíssem o país, apesar deles terem razão(!).

Esse fanatismo, essa adoração, essa falta de senso auto-crítico esconde o quê? Uma fraqueza, um horror à política que, por pior que seja ainda é o caminho, único possível para resolvermos nossos problemas comuns. Esta ânsia de que um xerife todo poderoso venha resolver rapidamente os problemas, com requintes de truculência para regozijo da patuleia tem tudo a ver com quem não tem a paciência do leitor, mas de quem espera uma pílula para dormir e acordar bem no dia seguinte com todos os seus problemas resolvidos. Só que neste caso vai acordar em um pesadelo quando discursos, lágrimas e louvores ao hino nacional não bastarem para encher pratos.

Difícil, né? Está achando isso agora? Veremos como ficará depois… Eu só lamento muito que o voto impresso não tenha sido aprovado. Pois se Bolsonaro perder as eleições seremos obrigados a ouvir ad eternum que houve fraude e até nisto a Nova Direita Brasileira fará páreo à nossa Esquerda Paleolítica que travou o disco no discurso do “golpe”. Haja…

 

Anselmo Heidrich

08/06/2018

Bolsonaro no Japão

Jair M. Bolsonaro deveria ir para a China também. Já que a estratégia declarada de sua recente visita ao Japão é uma tour para aprender sobre a importância da tecnologia a ser ensinada no Brasil através de convênios com a potência oriental, assim como com Taiwan e Coreia do Sul, por que diabos também não com a China? Por que lá há um partido comunista no poder? Sinceramente, a economia que importa no mundo tem e terá relações com a China. Mesmo um discurso de palanque eleitoral como o de Trump viu que a realidade não é como soam palavras irresponsáveis. A China é a 2ª maior economia do mundo e só um ignorante para desprezá-la. Agora, não acredito que seja ignorância no caso de Bolsonaro. Ele é um político e estrategista, assessorado por estrategistas, aconselhado por estrategistas que podem estar errados, como eu acredito que estão, mas definitivamente não é questão de ignorar os fatos e sim acreditar numa falha estratégia eleitoral com uma base teórica equivocada. Isto é o que os têm orientado. Vamos aos fatos:

  1. Não é combatendo comerciantes, importadores e exportadores na relação Brasil-China que vai se derrubar o Partido Comunista Chinês (PCCh) e sim, caso tal isolamento fosse compartilhado por vários países no mundo, o controle político centralizado é que se voltará para uma economia centralizada, i.e., socialista. Lembre-se que estas ideologias coletivistas se nutrem da pobreza;
  2. A compra de terras brasileiras pelos chineses que Bolsonaro alega ser “uma perda de nossa segurança alimentar” reside num equívoco: (a) chineses não ficarão gastando para não produzir, esperando valorização de terras em regiões ermas; (b) produzindo, o aumento dos itens disponíveis tenderá a reduzir seus preços; (c) caso a maior parte seja exportada, empregos gerados na cadeia produtiva aumentarão a renda local e novos itens serão importados; (d) gerando demanda e produção voltada para o mercado interno; (e) cujo aumento da produtividade necessitará do aumento de insumos que criará novos empregos e assim e assim e assim e assim por diante.

É simplesmente um contrassenso querer se opor ao socialismo e o comunismo e defender uma política protecionista chamada eufemisticamente de “nacionalista”. Não há nada de nacionalista em prejudicar o comércio e liberdade do cidadão brasileiro. Isso é o que faz uma CUT ao defender o monopólio (real) da Petrobras, o que faz um PT da vida e outros partidos dirigidos por insanos que são contra a diversidade e competição entre empresas. Lembre-se, “o capital não tem pátria”, então que venha o Capital! Desde que, é claro, ele se submeta a nossa legislação, muito embora este é o ponto: nossa legislação comercial e tributária tenha que ser, urgentemente, revista. Se não, ninguém vai querer investir aqui, nem Japão, nem Coreia, nem China. Aliás, empresários destes grupos são constantemente sondados por vários governos e candidatos e refugam devido a nossa insegurança jurídica, histórico, tributação e infraestrutura vergonhosas. Chega de discurso! Business is business! Alguém da equipe do Bolsonaro, pelamordedeus! Eu quero votar no cara, mas ajudem-no, pois desse jeito, votos pragmáticos como o meu serão perdidos e no fim dessa toada restarão os fanáticos de Esquerda acusando os “bolsominions” e estes vice-versa. É preciso uma pitada de racionalidade nisto tudo. Já fiz uma análise contemporizando os erros e acertos de Bolsonaro (leia aqui) avaliando bem sua visão de bom senso sobre segurança e educação e confesso que ele melhorou na visão econômica, com a possível indicação de Paulo Guedes para Ministro da Fazenda, mas este cacoete paranoico em relação à China não tem sentido.

E não pensem que adular os japoneses falando mal da China, país com quem tiveram vários conflitos ao longo da História vai render muitos votos da comunidade japonesa no Brasil, a maior do mundo fora do Japão. Um ambiente de estabilidade e segurança para todos os povos é o mais importante. Incentivos à migração de mão de obra qualificada e trabalhadora sem chance de conflitos culturais sérios e seus capitais só contribuirão ao nosso desenvolvimento. E acordem! Digam-me qual é a diferença de demonizar a China do que faz o déspota venezuelano, Nicolás Maduro em relação aos EUA? Percebem que se trata do mesmo equívoco?

Anselmo Heidrich

Blog no WordPress.com.

Acima ↑