Busca

Anselmo Heidrich

Defendo uma sociedade livre baseada no governo limitado e estado mínimo.

Tag

Donald J. Trump

Porque eu rejeito Donald Trump

Há várias razões porque rejeito #DonaldTrump, mas o principal está na política externa e na geopolítica, o que não é um problema secundário, frente à situação doméstica dos EUA. É algo fundamental ao seu desenvolvimento e equilíbrio internacional.

Escute o episódio mais novo do meu podcast:

Porque eu rejeito Donald Trump

https://anchor.fm/anselmo-heidrich/episodes/Porque-eu-rejeito-Donald-Trump-elvun8

Coronavírus e Hipocrisia: a lentidão dos diagnósticos clínicos e o “esquecimento” dos estudos científicos

Um novo estudo sobre o início do surto do novo coronavírus na China aponta que a maioria absoluta das infecções não foi detectada naquele momento, o que não só fez os casos de multiplicarem, mas espalhou o vírus pelo país.

Os autores da pesquisa concluíram que, antes de 23 de janeiro, apenas 14% dos pacientes contaminados foram identificados e que os 86% não detectados foram a fonte de infecção de 79% dos casos confirmados de Sars-Cov-2, como é chamado oficialmente este vírus.

O estudo, realizado por cientistas da China, do Reino Unido e dos Estados Unidos e publicado na revista Science, aponta que os casos não documentados apresentavam sintomas leves ou eram assintomáticos e, por isso, não eram detectados pela vigilância em saúde.

Coronavírus: lentidão inicial em diagnósticos facilitou disseminação de vírus na China, diz estudo – BBC News Brasil

Mas o mago do Spotniks acha que a China, ou melhor, o Partido Comunista Chinês foi o RESPONSÁVEL PELA PANDEMIA, como se qualquer outro país com a estrutura que tem, pudesse conter algo assim.

Vejam aqui o que eu recebi:

É um estudo da Sociedade Americana de Microbiologia de 2007, ou seja, os americanos já sabiam algo sobre isto, e não era uma mera denúncia. Se cabe responsabilizar a China, por que também não os EUA? “Por que seria “imperialismo” interferir na condução da política interna de outro país”, me disseram. Pois então por que o mesmo não se dá quando interferem na política cambial de outro país, como a China, através da pressão econômica, elevando tarifas de importação? Ou quando bloqueiam não só seus cidadãos de exportarem produtos para países como Cuba ou Irã, por conta de suas políticas externa e interna e de segurança e defesa? Ou quando o próprio Trump, diretamente, intervém na política externa, de forma legal, tentando incentivar a Finlândia, através da Nokia, a desenvolver o 5G para barrar o avanço e monopólio chinês ou, de forma claramente inconstitucional, chantageando o presidente ucraniano para que investigue o filho de seu principal opositor político, Joe Biden, com o objetivo de prejudicá-lo nas eleições em 2022? Aí não contam a interferência, a intervenção e o “imperialismo”.

Sinto muito, isto não tem lógica. Se a própria Associação Americana de Microbiologia tinha conhecimento do fato e o governo americano não atentou para o enorme risco, foi de uma incompetência atroz. Vidas em risco, caso seja somente este o argumento, também são ativos econômicos e suas perdas, custarão muito aos mercados, como já está ocorrendo.

Está na hora de dar um basta aos desmandos do Partido Comunista Chinês, mas não com gritinhos no plenário, assim como já está na hora de alguém dizer à Trump “you’re fired!”

Anselmo Heidrich

19 mar. 2020

O Escândalo da Ucrânia e o Impeachment de Trump

O Presidente dos Estados Unidos da América, Donald J. Trump, está atravessando o momento mais crítico de seu mandato. A Câmara dos Representantes (correspondente à Câmara dos Deputados, no Brasil), controlada pelos Democratas, o Partido de oposição, entrou com um pedido de Impeachment ao seu mandato presidencial. Na história do país, nunca um Presidente foi impichado, e quando isto teve início o próprio Presidente em exercício renunciou antes, caso de Richard Nixon, ou tiveram seus processos anulados em uma segunda etapa.

Tentativas de tirar o Donald Trump do cargo presidencial não são novidade, mas, o escândalo envolvendo o Presidente da Ucrânia, Vladimir Zelenski, apresenta indícios que fizeram o assunto ressurgir com força. Denúncia interna da Casa Branca feita em setembro cita uma conversa que teria ocorrido em julho (2019), na qual Trump teria pedido à Zelenski para investigar Hunter Biden, o filho de seu principal rival político à eleição de 2020, Joe Biden, por corrupção, quando ele fazia parte do conselho de uma empresa de gás da Ucrânia. Joe Biden foi vice-presidente dos Estados Unidos no governo de Barack Obama, entre janeiro de 2009 a janeiro de 2017, e, até antes desse caso, já considerado como escândalo por alguns analistas, era o candidato com mais chances de derrotar Donald Trump nas eleições presidenciais de 2020.

Dias antes da conversa ter ocorrido, Trump reteve a verba destinada à Defesa da Ucrânia, país envolvido em grave conflito interno na região de Donbass. Na conversa, o mandatário estadunidense acusa a União Europeia de não ajudar a Ucrânia como poderia e, implicitamente, condiciona a liberação de fundos para Defesa do país, cerca de 1,635 bilhão de reais (que já haviam sido acertados anteriormente) à investigação do filho de Joe Biden, Hunter Biden, por enriquecimento quando conselheiro de uma empresa de gás naquele país. Embora a questão da ajuda militar e econômica não estivesse mencionada explicitamente na conversa entre os dois Chefes de Estado, a oposição entende que isto se encontrava nas entrelinhas, ao passo que o Presidente dos Estados Unidos nega enfaticamente.

Joe Biden e Barack Obama, 2008

Para o Juiz Andrew Napolitano, o fato de Trump ter assumido que ligou ao Presidente da Ucrânia pedindo ajuda é uma confissão de culpa, e o Presidente norte-americano teria cometido um crime. Ou seja, independentemente de ter havido chantagem ou não neste caso, o simples pedido de ajuda em uma investigação para prejuízo de um rival político por um Presidente dos Estados Unidos a um líder estrangeiro é ilegal. Mesmo Trump tendo anunciado que revelaria a transcrição do diálogo, os Democratas consideraram insuficiente, ao que a Presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, do Partido Democrata, deu início ao processo de Impeachment. Em suas palavras, “as ações tomadas pelo Presidente violaram seriamente a Constituição”.

Vladimir Zelenski também não sai ileso deste caso. Na referida conversa com Trump, ele responde afirmativamente que nomearia um novo Promotor “100% de minha confiança [que] investigaria a situação”. Na conversa, após Zelenski expressar seu desejo de comprar mísseis antitanque, produzidos pela Raytheon, que são ideais para repelir ataques dos blindados russos utilizados pelos rebeldes na guerra do Donbass, Trump respondeu: “gostaria que você fizesse um favor”.

Burisma Holdings

Em maio de 2014, Hunter Biden era nomeado conselheiro da empresa de gás ucraniana Burisma. Fundada em 2002, a maior produtora privada de gás do país se apresentava como uma empresa de energia em expansão para além das fronteiras da Ucrânia. Seu fundador, Mykola Zlochevsky, foi responsável pela expansão da corporação, ao mesmo tempo em que era Ministro da Ecologia e Recursos Naturais da Ucrânia, entre julho de 2010 e abril de 2012. Dentre suas atribuições estavam emissões de licenças de perfuração de gás durante o governo de Viktor Yanukovych, até este demiti-lo.

Mykola Zlochevsky, 2014

A conjuntura internacional em que Hunter Biden foi admitido no conselho era da anexação da Crimeia pela Rússia e da insurgência de rebeldes apoiados por Moscou no Leste. Ainda assim, havia esperanças de que o novo governo de Petro Poroshenko adotasse reformas que combatessem a corrupção endêmica. Nesse contexto, a Burisma foi alvo de uma investigação de lavagem de dinheiro e questionamentos sobrecomo havia obtido certas licenças para extração de gás naturalA partir daí é que a empresa nomeia Hunter Biden para seu conselho, e também a Aleksander Kwasniewski, ex-presidente polonês, e a Cofer Black, ex-funcionário da CIA e consultor de política externa na campanha presidencial de Mitt Romney, em uma tentativa de melhorar sua imagem.

Acusações como as feitas por Trump, de que Joe Biden pressionou pela demissão do antigo promotor que investigava as ações da Burisma não foram confirmadas até então pelo governo da Ucrânia. As investigações sobre a corrupção na empresa envolvendo o nome de Hunter Biden datam de 2016 e dois promotores já passaram por ela sem apontar qualquer indício de corrupção. O assunto gerou polêmica e o recém nomeado Promotor-Chefe da Ucrânia, Ruslan Ryaboshapka, afirmou que vai retomar as investigações, desde antes da posse de Biden, em 2014.

Mesmo que não haja indícios, há quem alegue conflito de interesses, especialmente quando o filho de um político influente no governo dos Estados Unidos à época recebe um cargo em uma das maiores empresas de outro país. Tudo que se sabe de concreto sobre ganhos de Hunter Biden, até o momento, segundo o The Wall Street Journal, é de que recebia aproximadamente 205,7 mil reais mensais (em valores atualizados) como diretor da empresa. Ao que tudo indica, a sua contratação fazia parte de uma estratégia comercial da empresa para expandi-la, a fim de angariar credibilidade em um governo estrangeiro, que, à época, prestava apoio internacional à Ucrânia contra a Rússia.

Em termos políticos, ao divulgar as conversações por inteiro, analistas consideram que Trump cometeu um erro político, pois, mesmo que o filho de Biden pudesse ter algum envolvimento com a corrupção em outro país e se beneficiasse dela, investigá-lo não caberia ao Presidente em exercício dos Estados Unidos, ou seja, ao Poder Executivo, e, sim, ao Departamento de Justiça daquele país.

Se o processo de Impeachment passar na Câmara dos Representantes, onde os Democratas são maioria, Trump seria o terceiro Presidente da história dos Estados Unidos a sofrer um processo deste tipo. Caso o processo seja aprovado neste estágio, ele passa a ser avaliado pelo Senado, onde os Republicanos, Partido do atual mandatário, são maioria. Neste momento, enquanto os Senadores agem como jurados, os deputados servem como fiscais do processo. Para Trump perder seu cargo não basta que a maioria simples do Senado (50% mais um) vote pelo impeachment, mas, sim, dois terços da casa.

Mesmo que, porventura, Trump seja destituído do cargo isto não significa que não possa se candidatar novamente para as eleições em 2020. Como se trata de um político com altos índices de aprovação (e de rejeição), é possível que a polarização política já existente se acentue e torne o apoio a sua reeleição ainda maior, sem que, no entanto, haja um nome proporcionalmente forte para disputar o cargo pela oposição. O governo de Vladimir Zelenski, por sua vez, pode sofrer algum revés dessa situação política nos Estados Unidos até que tudo seja esclarecido, o que também pode ser um prejuízo à sua estratégia de defesa territorial, particularmente no Donbass, para onde o Crédito de Defesa dos Estados Unidos se destinava.

Por outro lado, as consequências desta crise para a Ucrânia podem ser positivas. Vijai Maheshwari, escritor e empresário baseado em Moscou, considera que novos acordos podem surgir entre Kiev e Moscou, com a articulação de outras lideranças, como o francês Emmanuel Macron, p.ex., ou ainda, numa tentativa de reverter seu prejuízo político, Donald Trump pode se dedicar mais enfaticamente a um acordo de paz entre os dois países: Rússia e Ucrânia. E, por fim, mas não finalmente, Kiev poderia jogar com estratégia para se alinhar politicamente com mais centros decisórios, em uma ordem verdadeiramente multipolar, reduzindo sua dependência de Washington.

— — — — — — — — — — — — — — — —

Notas:

[1]Andrew Johnson Bill Clinton foram cassados pela Câmara dos Representantes ou Câmara Baixa, mas absolvidos pelo Senado, também chamado de Câmara Alta. Richard Nixon teve seu processo suspenso, uma vez que acabou renunciando antes de o Congresso votar o caso.

[2] 400 milhões de dólares, na cotação de 8 de outubro de 2019, de acordo com o Banco Central do Brasil.

[3]Raytheon Company, a maior produtora de mísseis guiados do mundo, é um conglomerado de empresas dos Estados Unidos que atua na área de armamentos e equipamentos eletrônicos para uso militar e civil.

[4] Cabe observar que Mykola Zlochevsky não foi demitido do governo, mas do cargo, sendo nomeado como Secretário Adjunto do Conselho de Segurança e Defesa Nacional em 20 de abril de 2012.Viktor Yanukovych foi o Presidente ucraniano expulso do país durante o processo revolucionário conhecido como “Euromaidan”, que afasta a Ucrânia da política externa de Moscou.

[5] 50.000 dólares por mês, segundo o WSJ.

[6] Conferir a primeira nota [1], dois presidentes americanos sofreram o processo, mas nenhum acabou por sofrer o impeachment.

— — — — — — — — — — — — — — — —

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Donald Trump e Vladimir Zelenski, 25 setembro de 2019” ( Fonte): https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Volodymyr_Zelensky_and_Donald_Trump_2019-09-25_01.jpg

Imagem 2 “Joe Biden e Barack Obama, 2008 ( Fonte):https://en.wikipedia.org/wiki/Barack_Obama_2008_presidential_campaign

Imagem 3 “Mykola Zlochevsky, 2014” (Fonte): https://uk.m.wikipedia.org/wiki/%D0%A4%D0%B0%D0%B9%D0%BB:ZlochevskiyN.jpg


Originally published at https://ceiri.news on October 16, 2019.

Porque Bush deveria ensinar Trump e Bolsonaro a combater incêndios florestais

George Walker Bush 10

VS.

Jair Messias Bolsonaro + Donald John Trump 0

Por quê?

Vamos aos exemplos, nada melhor do que os exemplos:

Em agosto de 2018 a Califórnia ardeu em incêndios e o presidente Trump culpou a legislação ambiental por obrigar a desviar águas do estado para o Oceano Pacífico.* Até faria sentido, se fosse o caso… Na verdade, a utilização das águas serve a vários setores no estado californiano, inclusive como reserva para áreas naturais estratégicas e, em último caso, o que sobra é desviado para o oceano (verificar link da matéria citada na nota abaixo). Por fim, como “bom político” que é ignorou o que disse após ser corrigido e insistiu culpando o governador da Califórnia, Jerry Brown por desviar águas para o Pacífico. Ou seja, Trump é do tipo que pego no flagra continua negando até o fim, simplesmente negando e caluniando os demais.

Quando pensamos no “Trump brasileiro”, como gosta de se auto-denominar Bolsonaro, dá até para desconfiar que haja um assessor comum para ambos.

* Veja aqui a série de bobagens tuitadas sobre os incêndios florestais pelo presidente Trump: Tuíte de Trump sobre incêndio mortal na Califórnia “incendeia” internet https://exame.abril.com.br/mundo/tuite-de-trump-sobre-incendio-mortal-na-california-incendeia-internet/ via Exame

Bolsonaro, como sabemos, cogitou que ONGs pudessem ter ateado fogo na Amazonia e tudo que se sabe até o momento foi que, aliado ao período normal de seca para a região, produtores locais combinaram de provocar incêndios. Ao que um dos mandantes já foi preso sob esta acusação,* sem quaisquer envolvimentos com ONGs como foi sugerido pelo Presidente.**

* Suspeito de provocar incêndios em áreas de floresta, no Pará, é preso | Jornal Nacional | G1 https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/08/29/suspeito-de-provocar-incendios-em-areas-de-floresta-no-para-e-preso.ghtml .

** Homem preso por incêndio no Amazonas não foi pago por ONGs ou movimentos sociais https://aosfatos.org/noticias/homem-preso-por-incendio-no-amazonas-nao-foi-pago-por-ongs-ou-movimentos-sociais/ #factchecking

Mas nós teríamos algum líder mundial que seja uma referência no tratamento a esta questão? Temos sim, ou melhor, tivemos e ele se chama George W. Bush, presidente dos Estados Unidos entre 2001 e 2009. Em eu escrevi o seguinte artigo para o site Mídia Sem Máscara:

Bushfire

por Anselmo Heidrich em 24 de janeiro de 2004

Resumo: Já faz algum tempo a notícia soava como escândalo, Bush quer cortar árvores para impedir incêndios e uma chuva de spams, mais tentando incendiar do que apagar a proposta do presidente americano se disseminou pela web.

© 2004 MidiaSemMascara

Já faz algum tempo a notícia soava como escândalo, Bush quer cortar árvores para impedir incêndios e uma chuva de spams, mais tentando incendiar do que apagar a proposta do presidente americano se disseminou pela web. Ironias dos internautas como mais uma “solução genial de Bush”, associadas às contumazes “falhas” e “lapsos” de jornalistas eram algumas gotas no oceano de calúnias que se tornou comum em torno do nome de Bush.

Enquanto nossos jornalistas tupiniquins entendem que “podar” pode significar o mesmo que “cortar” árvores, para a engenharia florestal não é bem assim. Há uma sensível diferença entre cortar totalmente a árvore impedindo que ela cresça e poda-la nos galhos impedindo que um incêndio se alastre pela mata. Mas como se diz por aí, uma calúnia é como a cinza jogada ao vento que ninguém consegue agarrar:

“O presidente americano, George W. Bush, defendeu nesta segunda-feira seu plano de cortar árvores de florestas nativas (…)” e “nós devemos podar nossas florestas”

(AFP/notícias UOL, 11/08/2003).

Mas como o ambientalismo é cheio de contradições, não me surpreendeu quando lia Ecologia do Medo de Mike Davis, um professor de teoria urbana californiano e, claramente ligado aos movimentos da esquerda americana. O livro é basicamente uma crítica à especulação imobiliária da Califórnia Meridional, mas não deixa de ser coerente quanto à pesquisa factual. Independente das conclusões que Davis possa tirar, isto não me impede de utilizar seus próprios dados que, justamente, pela sua afiliação ideológica, me deixam a vontade para usa-los, ou seja, usar o veneno da esquerda contra ela própria.

Por que é importante ter um plano de manejo ambiental como proposto por Bush? Acho que os dados abaixo, levantados por Davis, falam por si:

TEMPESTADES DE FOGO EM MALIBU, 1930–96

Ano e mês Localidade Hectares Residências Mortes

1930, outubro Potrero 6.000

1935, outubro Latigo/Sherwood 11.554

1938, novembro Topanga 6.700 351

1943, novembro Woodland Hills 6.200

1949, outubro Susana 7.710

1955, novembro Ventu 5.106

1956, dezembro Sherwood/Newton 15.165 120 1

1958, dezembro Liberty 7.215 107

1970, setembro Wright 12.500 403 10

1978, outubro Kanan/Dume 10.100 230 2

1982, outubro Dayton Canyon 22.000 74

1993, novembro Calabasas/Malibu 7.500 350 3

1996, outubro Monte Nido 6.000 2

Total 1636 16

Mais pequenos incêndios aprox. 2.000

[Fonte: Registros do Los Angdes Fire Department.]

Tais dados poderiam ser negados por quem quer que seja como trágicos? Isto significa encampar a tese da destruição completa das florestas para manutenção das habitações? Não, pois não é disto que se trata, mas da simples poda das árvores embasada em técnicas de engenharia florestal para evitar desgraças humanas e compatibilizar um equilíbrio entre sociedade e ambiente.

Pode se observar nas fotos de satélite da NASA os últimos incêndios californianos em novembro passado:

http://visibleearth.nasa.gov/data/ev261/ev26153_California.A2003331.1840.721.500m.jpg

Mas se os socialistas travestidos de ambientalistas são tão bons para criticar as propostas republicanas de manejo ambiental, o que proporiam a isto?

http://visibleearth.nasa.gov/data/ev259/ev25950_Peru2.A2003244.1815.1km.jpg

Os focos em vermelho correspondem aos incêndios na fronteira amazônica entre Brasil e Peru de setembro passado que são bem, mas bem mais intensos que os fogos norte-americanos.

A origem desses fogos é a mesma que provocou o mega-incêndio de 1998. À época, nossa “sensata imprensa” noticiou que uma área equivalente à Bélgica, baseando-se em imagens de satélite que retratavam a fumaça. Se, é verdade o dito popular que “onde há fumaça há fogo”, não é verdade no entanto, que a extensão do fogo é a da própria fumaça. A área queimada na Amazônia brasileira foi enorme sim, mas não do “tamanho da Bélgica” e sim equivalente à área urbana da cidade de São Paulo. Também não foi verdade que este mega-incêndio ocorreu em área florestal, mas em savanas[1], o cerrado de Roraima (llaños, como são conhecidos na vizinha Venezuela), tendo se expandido para as matas posteriormente.

Os ambientes mediterrâneo do sudoeste americano e superúmido da alta floresta amazônica são muito distintos, necessitando de manejos distintos — a poda não seria possível em nosso caso. Mas o que se vê é uma falta generalizada de informação, pressa na apresentação dos fatos e dados e um “molho crítico” de um esquerdismo que beira a infantilidade. Se Bush propõe uma solução passível de crítica por técnicos e especialistas do setor, não se quer saber, pois ele pode levar algum crédito com isto. Se no Brasil, malgrado ano de El Niño, fenômeno climático que provoca anomalias climáticas globais, muito difundido e pouco entendido, coincide com a estação das queimadas, a culpa é totalmente do governo que não faz nada. Ou seja, a população local com suas técnicas arcaicas, num passe de mágica, é totalmente isenta de sua responsabilidade. E se as ONGs ambientalistas, líderes europeus, a própria ONU sugerem que a própria Amazônia brasileira (e dos países vizinhos) deva ser administrada por uma comissão internacional, nada parece indignar nossa incauta imprensa ávida pelo antiamericanismo que ajuda a engrossar._

O que nossos militantes cegos pelo ódio aos EEUU lembram? De uma mentira amplamente divulgada na internet, um conhecido hoax que volta e meia retorna, de um suposto livro de geografia escrito para o ensino médio nos EEUU que defende a Amazônia como área de controle internacional sob um projeto da ONU[2].

As queimadas (“coivara”) consistem numa ancestral e tradicional técnica indígena herdada pelos colonos pobres de preparar a terra para o plantio, inclusive de pastagens que devastam a biomassa. Não se trata de “grande capital” ou de “descaso da civilização capitalista”, mas de falta de adequação às técnicas de produção modernas e hipocrisia ambientalista que sustenta a exploração ambiental em moldes ultrapassados.

Talvez Bush tivesse alguma boa idéia para nós já que os próprios ambientalistas se perdem em informações falsas e análises tendenciosamente espúrias.

Links possivelmente “quebrados”:

[1] http://hps.infolink.com.br/psenna/roraima.htm

[2] http://www.quatrocantos.com/lendas/54_amazonia_finraf.htm

Imagem de destaque: “fogos na Amazônia em agosto de 2019” (fonte): https://en.m.wikipedia.org/wiki/File:Amazon_fire_satellite_image.png

Ron Paul VS. Donald Trump: quando uma tendência interna do GOP suplanta outra

A “Revolução de Ron Paul” encalhou, após ter atingido seu ápice em 2008. Difícil crer que a retórica anti-intervencionista teve muito crédito em Washington e o discurso anti-guerra no Partido Republicano. Esse político chegou a ter dezenas de milhares de seguidores saindo do minúsculo Partido Libertário em 1988, hoje é praticamente esquecido após o fenômeno Trump. Não há de ser nada, a defesa da desregulamentação e da concorrência pelo senador teve seus frutos, com o Über, o Airbnb e outros empreendimentos que hoje são, aparentemente, irreversíveis. Cf. Ron Paul Revolution falls victim to frustration, Donald Trump — https://go.shr.lc/2MOx2R5 — @washtimes

Trump e os Cortes no Orçamento

Adoro quando um artigo começa de um jeito e me surpreende no meio. É como se eu estivesse assistindo boxing e, de repente, ao invés do direto que todos esperamos, vem um gancho de esquerda. Pois é… Todos ouvimos dizer que Trump fará isto, fará aquilo etc. e tal. Pois bem amiguinhos, apesar de toda retórica por cortes em gastos públicos feita por políticos republicanos, dentre os quais se destacam hoje Ted Cruz, Ron Paul e Newt Gingrich, quem mais executou cortes no orçamento… LEIAM COM ATENÇÃO: de 1956 a 2003 FORAM OS DEMOCRATAS. Louco, não?! Mesmo sob o governo de Ronald Reagan, as promessas de cortes na pasta de educação não só NÃO OCORRERAM, como AUMENTARAM EM SETE VEZES durante seus oito anos na presidência!

Não é engraçado quando se conversa com um crente e ele jura de pé junto que você é o alienado porque “não leu a mídia certa”? É como se todos usassem “dorgas” porque, simplesmente, ao invés de ver a realidade como ela é onde nem tudo que é dito é o que é realmente feito, simples assim, as pessoas preferem se estrebuchar em cima de palavras. Palavras… São antes de tudo sons e não, atos.

“Why would Democrats, who traditionally support a more expansive role for government, make more large cuts in federal spending than Republicans? In social psychologist Dan Kahan’s words, “individuals … fit their processing of information to conclusions that suit some end or goal.” So we expect Democrats to make lots of small increases to programs.

But after making all those changes, the party must make corrections to balance its prior decisions. And when parties ignore information that runs counter to their ideology, they end up having to make big corrections. So we’d expect Democrats to occasionally make large cuts to programs.”

Why President-elect Trump may not be able to gut the EPA http://on.mktw.net/2f93ssD

Sinceramente, eu ando meio enfarado dessas discussões em que as conclusões são rápidas e os argumentos são automáticos: B porque deriva de A e A é assim, então B só pode ser desse jeito etc. Não há um rosário de orações em que o Partido Republicano ou o Democrata têm que seguir a risca. São partidos políticos e a política é a arte do possível. Existem fatores estruturais, demandas, trocas de favores que não se submetem a um corpo ideológico que um grupo de internautas acredita que tenha que ser mantido a ferro e fogo. Decepcionante? Bem vindos ao reality show global, pois se não se adaptar, é como dizia o apresentador de O Aprendiz, you’re fired!

Anselmo Heidrich

15–08–2018

Trump, imigrantes e o assédio à garota russa

Fonte da imagem: Notícias ao Minuto Brasil - Brasileiros são acusados de machismo e assédio na Copa do Mundo noticiasaominuto.com.br via @noticiaaominutobr

Tive um colega professor de História, diretor do SENAI em Santos, SP lá pelos anos 90 (onde trabalhei no Anglo por 7 anos) e ele expulsou, veja bem, EXPULSOU um aluno do curso técnico no ÚLTIMO ANO. Vou deixar bem claro para que todos entendam: o cara, diretor do Senai expulsou um aluno no último ano de curso técnico às vésperas da formatura do infeliz. Por quê? O aluno colocou minhocas, ele teve a manha de comprar minhocas e jogar na panela de macarrão do restaurante em que os alunos iam comer. Daí perguntei ao meu colega, um corôa cerca de 20 anos mais velho que eu (eu tinha 20 e poucos anos a época) por que ele tinha feito isso e a resposta foi esta, nunca me esqueço: “como vou deixar um cara desses trabalhar na indústria, qual a MINHA RESPONSABILIDADE em deixar um sujeito desses entrar na indústria”. O mais bizarro é que a galera que está se dividindo agora em Esquerda condenando o ato “machista” e Direita acusando atores globais de hipocrisia com relação à idiotice de um grupo de brasileiros na Rússia ao enganar uma moça não estão focando no caso em si, pode um funcionário público, ainda mais policial dar este exemplo? O que vai acontecer? O cara vai voltar para SC, vai subir a serra, vai tomar alguma sanção administrativa da corporação, cujo tribunal é militar e deu pra bolinha, só isso. Nosso país é desigual e injusto sim, mas não em relação a renda, pois isto tem outras causas que não se relacionam à Justiça. Nosso país é injustamente desigual devido à aplicação da Lei.

Aqui, eu esclareço mais estas questões que põem em divisão algo que deveria ser consenso porque o que realmente importa a essa gente não é o caso em si, seja ele o referido assédio na Rússia feito por um grupo de otários ou o tratamento dado aos imigrantes ilegais pela administração Trump:

Anselmo Heidrich

 

Donald J. Trump cai na Real

Sinto-me um bipolar, mas porque a política tem se tornado assim, bipolar… Todos os motivos pelos quais me opus e escrevi notas de rejeição à Donald Trump estão se tornando inócuos (isolacionismo militar e político, integração econômica) porque, justamente, o próprio candidato à presidência, agora presidente dos Estados Unidos da América (@POTUS) é o principal agente que o contradiz. Se ele tivesse dito o que, realmente faria desde o início, eu seria o fiel apoiador.
 
Agora, uma coisa é certa, aqueles que o apoiavam o faziam por:
a) ser o anti-Hillary, anti-esquerda e agora simplesmente ignoram tudo aquilo que relativizaram como “mal menor” ou;
b) porque eram realmente pró-isolacionismo (militar) e anti-integração (econômica).
 
Dentre os que conheço, realmente poucos se encaixavam na segunda alternativa. Mas, enfim… Antes tarde do que nunca! Bem vindo, Donald J. Trump ao mundo real da política! Ou melhor, bem vindo nós, eu em particular, para fora do (Ir)reality Show Global…
 
Anselmo Heidrich

Sem aperto de mão, mas twittando…

A sociedade americana confia mais nas suas forças armadas, na religião e na suprema corte. Isto não ocorre porque sejam militaristas, fanáticos ou legalistas ao extremo, mas exatamente porque avaliam seus líderes, representantes e pastores por sua CONDUTA. E é EXATAMENTE isto que falta à presidência que, mesmo certa em seus sentimentos sobre os outros, não tem permissão (moral, não legal) para se comportar conforme quer. Mais que garotos mimados, playboys que sempre conquistaram sexo sem alma ou twitteiros, um cargo público desta envergadura tem conexão com os sentimentos de milhões que veem no quera, um símbolo.
 
O aperto de mão vem da antiguidade, eu acho que do medievo onde cavaleiros usavam a mão que normalmente usava a espada para largá-la e estendê-la como sinal de boa fé. Apertar as mãos não significa dizer “eu te amo”, mas simplesmente “estou confiando em você… faça o mesmo por mim”. É um símbolo e não há maior fragilidade que um chefe de estado em território inimigo se mostrando aberto às conversações. Isto tem que ficar claro, se trata de um ritual que precede um entendimento, assim como bater na porta de um vizinho querendo contato, seja dar um aviso importante ou conversa fiada. Por mais que Donald Trump possa estar certo sobre alguns tópicos, eu temo que seu exemplo dê o desrespeito às instituições como meta. Quando deixa de cumprimentar uma autoridade estrangeira, seja alemã ou qualquer outra, simbolicamente coloca seu ego acima das instituições, assim como twitta tanto quanto um fofoqueiro fala demais.
 
Esperemos que seja apenas simbolicamente.
 
Anselmo Heidrich

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑