Os Estados Unidos não enfrentam nenhuma ameaça terrestre desde o século XIX;

Seus vizinhos de fronteira na América do Norte não se aliaram nem desejam se aliar à potências rivais aos EUA;

Mais importante que a OTAN ou a presença da China no Mar da China Meridional é a relação (amistosa) dos EUA com seus vizinhos. Mesmo que possa se impor militarmente, isto tem um custo e a opção pelo soft power é óbvia;

É um erro, portanto, achar que esta estabilidade fronteiriça seja imutável e não mereça cuidados ou ser, constantemente, bem nutrida;

Um exemplo desta imprudência foi a maneira como os EUA cancelaram o acordo de instalação do gasoduto Keystone XL, importante para o Canadá. A mensagem enviada é que Washington vê o vizinho ao norte como mero subordinado e não um parceiro importante;

Outro ponto importante é a questão da imigração na qual os EUA vê o México como a fonte de seus problemas ao facilitar o percurso desses migrantes e o México, por sua vez, vê na Guatemala a fonte de seus problemas. O fato é que, independente de quem quer que tenha razão, os EUA não têm ajudado e colaborado com o México no trato da questão;

Mesmo que se alegue alguma ‘injustiça’ no sentido de repartição de custos, o que tem que ficar claro é que os EUA já ‘lucram’ com a boa relação que vinham mantendo com Canadá e México, no sentido de proteção territorial.

Confira o texto de #GeorgeFriedman:

CANADÁ, MÉXICO E REALIDADE DA AMÉRICA

Por George Friedman -9 de novembro de 2021