Vou colar alguns trechos aqui e me digam, antes de ler a matéria abaixo, quem as proferiu:

“É uma coisa espantosa e certamente deixa as pessoas desorientadas porque é uma experiência inédita”, afirma.

Contra a idéia “liberal” de que a democracia é “o regime da lei e da ordem”, (…) “a democracia é o único regime político no qual os conflitos são considerados o princípio mesmo do seu funcionamento”

(…) “a intelectualidade tucana é mais forte e numerosa em São Paulo” e termina por pautar a imprensa e o debate, mesmo quando se trata de reproduzir críticas de intelectuais petistas.

Que crise social? Quem vê crise social é a Folha de S.Paulo.

O que existe é democracia em pleno funcionamento. É uma coisa espantosa e certamente deixa as pessoas desorientadas porque é uma experiência inédita no país. Mas é a mais profunda experiência de democracia que esse país já teve.

O fato de que todas as categorias profissionais e todas as classes sociais se manifestam livremente, a favor e contra as medidas governamentais.

Em vez de falar em crise e em desordem, que são os temas preferidos da classe dominante brasileira na sua tradição autoritária, é hora de comemorarmos

(…) o fato de que finalmente este país está conhecendo uma experiência democrática. Democracia não é, como querem os liberais, o regime da lei e da ordem.

Democracia é o único regime político no qual os conflitos são considerados o princípio mesmo do seu funcionamento. esperar melhorar a situação. Ao contrário, seria destruí-la tentar fazer com que o conflito não possa se exprimir.

A tragédia da história política brasileira tem sido o fato de que toda vez que os conflitos procuram se exprimir legitimamente, imediatamente eles recebem o nome de crise. E a palavra crise para a direita brasileira significa perigo e desordem. É por isso que a democracia nunca vai para frente. Espero que dessa vez vá. Espero que o conflito possa se realizar. Que o seu trabalho histórico possa se realizar. (Itálicos meus).

Agora, com vcs, a entrevista completa, mas antes, me digam se não parecia uma defesa do atual governo, Jair Bolsonaro, feita por algum grupo de bolsonaristas-olavistas contra os liberais, conra o “deep state”, contra a chamada “velha política”? É a mesma cantilena.

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc0308200314.htm

Anselmo Heidrich