Um novo estudo sobre o início do surto do novo coronavírus na China aponta que a maioria absoluta das infecções não foi detectada naquele momento, o que não só fez os casos de multiplicarem, mas espalhou o vírus pelo país.

Os autores da pesquisa concluíram que, antes de 23 de janeiro, apenas 14% dos pacientes contaminados foram identificados e que os 86% não detectados foram a fonte de infecção de 79% dos casos confirmados de Sars-Cov-2, como é chamado oficialmente este vírus.

O estudo, realizado por cientistas da China, do Reino Unido e dos Estados Unidos e publicado na revista Science, aponta que os casos não documentados apresentavam sintomas leves ou eram assintomáticos e, por isso, não eram detectados pela vigilância em saúde.

Coronavírus: lentidão inicial em diagnósticos facilitou disseminação de vírus na China, diz estudo – BBC News Brasil

Mas o mago do Spotniks acha que a China, ou melhor, o Partido Comunista Chinês foi o RESPONSÁVEL PELA PANDEMIA, como se qualquer outro país com a estrutura que tem, pudesse conter algo assim.

Vejam aqui o que eu recebi:

É um estudo da Sociedade Americana de Microbiologia de 2007, ou seja, os americanos já sabiam algo sobre isto, e não era uma mera denúncia. Se cabe responsabilizar a China, por que também não os EUA? “Por que seria “imperialismo” interferir na condução da política interna de outro país”, me disseram. Pois então por que o mesmo não se dá quando interferem na política cambial de outro país, como a China, através da pressão econômica, elevando tarifas de importação? Ou quando bloqueiam não só seus cidadãos de exportarem produtos para países como Cuba ou Irã, por conta de suas políticas externa e interna e de segurança e defesa? Ou quando o próprio Trump, diretamente, intervém na política externa, de forma legal, tentando incentivar a Finlândia, através da Nokia, a desenvolver o 5G para barrar o avanço e monopólio chinês ou, de forma claramente inconstitucional, chantageando o presidente ucraniano para que investigue o filho de seu principal opositor político, Joe Biden, com o objetivo de prejudicá-lo nas eleições em 2022? Aí não contam a interferência, a intervenção e o “imperialismo”.

Sinto muito, isto não tem lógica. Se a própria Associação Americana de Microbiologia tinha conhecimento do fato e o governo americano não atentou para o enorme risco, foi de uma incompetência atroz. Vidas em risco, caso seja somente este o argumento, também são ativos econômicos e suas perdas, custarão muito aos mercados, como já está ocorrendo.

Está na hora de dar um basta aos desmandos do Partido Comunista Chinês, mas não com gritinhos no plenário, assim como já está na hora de alguém dizer à Trump “you’re fired!”

Anselmo Heidrich

19 mar. 2020