O líder russo está trabalhando para concluir a alteração na constituição da Rússia em um plebiscito nacional marcado para o dia 22 de abril. A emenda deve garantir que ele mantenha protagonismo sobre o sistema político e as principais e decisões do país além do término de seu quarto mandato em 2024. No entanto, pesquisas de opinião pública indicam que os russos estão insatisfeitos com os conflitos militares em que a Rússia está envolvida no exterior; assim, sair da Síria seria positivo para Putin, um movimento que ajudaria a melhorar sua situação internamente.

O presidente russo também pretende melhorar suas relações com a União Europeia e convencer os europeus a pressionar a Ucrânia a aceitar os termos da Rússia para encerrar o conflito no leste da Ucrânia, região que, efetivamente, está sob controle de Moscou.

Seu plano seria simples. Pacificando a Síria e retirando as forças russas do país, ele obteria duas vantagens: melhorar sua situação interna e obter a colaboração do Ocidente na consecução de seus objetivos. Mas para conseguir isso tudo, Putin teria que sair rapidamente do atoleiro sírio. Daí a pressa.

Putin pode ter reacendido a simpatia de Erdogan pela OTAN? – O Velho General