Por que defender o devido processo legal? Por que defender a lisura da justiça? Sei que isso soa como uma tentativa de defender a soltura de bandidos condenados pela Lava-Jato, especialmente Lula, mas não é… Este, creiam-me, é o menor dos problemas. A oposição JÁ capitalizou politicamente em cima de tudo que aconteceu e não nos deixará esquecer. O problema mesmo é outro e muito maior. O que está por vir, por causa desta “tecnicalidade”, como querem diminuir a gravidade do fato da ausência, não é escassez, mas total ausência de isenção de Moro é muito, muito pior do que tudo que ganhamos ou, supostamente, ganhamos no combate à corrupção.
Seguindo o exemplo de Moro, logo teremos vários juízes torcendo e manipulando processos contra empreendedores porque são favoráveis a organizações de classe sindicalizadas. Daí é que eu quero ver o tiozão patriota comemorar. Quero ver comemorarem quando tudo que é juiz espalhado pelos rincões do país, filhos diletos do coronelato regional achar que tem cheque em branco para fazer o que bem entender com os casos que lhes caírem no colo na defesa de seus interesses e do seu clã.
E quem acha que não irá surgir uma verdadeira “indústria de processos”, muito mais lucrativa do que a alegada “indústria de sentenças” não sabe como a venda parcelada se torna muito mais lucrativa do que vender a vista.
Em um futuro não muito distante, os lúcidos de gerações que ainda não pisaram nesta terra ainda se dividirão em vários grupos políticos, tendências ideológicas como sempre ocorreu, mas serão unânimes em um ponto:
Combater a corrupção com métodos corruptos tem efeitos colaterais tão ou mais deletérios do que a primeira forma.
Não sei como definir o sentimento que tenho por quem idolatra mitos e não enxerga o que está por vir. Só sei caracteriza-lo como um misto de pena e nojo de quem vive para servir, mas não serve para viver.

Anselmo Heidrich
6 jul. 19