O Foro de São Paulo é um espantalho político, isto é, um evento que tomou proporções teóricas maiores do que o fato em si. Qualquer um dos chefes de estado, eu disse qualquer um, até mesmo o Bolsonaro teria que estar presente a um evento desses, até mesmo para sondá-lo e se preparar para contrariá-lo. Este é um dos princípios básicos da diplomacia e convém manter os amigos perto, mas os inimigos mais perto ainda. Claro que se você é daqueles que comunga paranoias coletivas e teorias da conspiração irá querer ampliar o real efeito e praticidade de uma reunião, cujos resultados foram pífios se pensarmos em escala continental e sua principal consequência, digamos que fosse uma consequência, o regime bolivariano da Venezuela foi um total fracasso. Então, a proposta de Fidel Castro (no evento citado) de “retomar na América Latina tudo que perdemos na Europa Oriental” não passou de mais uma bravata daquela múmia política que ainda, na sua fase de cadáver é adorada por uma legião de pseudo-intelectuais dos cursos de Humanas no Brasil.  Meu conselho, nunca avalie os fenômenos pelo que se diz dele, mesmo seus porta-vozes, mas o faça pelas suas ações ou efeitos concretos.

 

Anselmo Heidrich

2018 02 04