Membros do Movimento de Resistência Nórdica marcham no centro de Gotemburgo, na Suécia, em 30 de setembro de 2017. Fredrik Sandberg / AP
 read more: https://www.haaretz.com/world-news/europe/.premium-1.831763

 

“O patriotismo é o último refúgio dos canalhas.” 
― Samuel Johnson

Cf. How Sweden became a thriving base of neo-Nazi ideology https://www.haaretz.com/world-news/europe/.premium-1.831763

Alguém tinha dúvidas de que isto um dia ressurgiria? Nesta rica matéria, que mostra as raízes do nazismo sueco, de meados do século XX, o pior não é saber como pode perdurar por tanto tempo, mas sim, como pôde ressurgir com tanto vigor? Eu tenho minhas pistas e elas são o clima de medo instaurado pelas políticas de “fronteiras abertas”. Veja, como diz no texto abaixo que tais movimentos, como este de Malmö têm os liberais(no sentido distinto do adotado no Brasil) e conservadores, além da esquerda tradicional, seus inimigos. Ou seja, todos aqueles que não são fortemente estatistas, autoritários e segregadores, ou seja, em uma palavra, totalitários são seus inimigos.Como combustível a tais movimentos temos comunidades que já não têm mais segurança, onde se investe mais em uma internacionalização de problemas que no próprio orçamento de segurança local, mais com refugiados que com a própria polícia no país inteiro, p.ex. Uma expressão utilizada no texto abaixo, “espaço vital” que está na origem do movimento nazista, mas que é anterior, remetendo aos políticos e pensadores que defendiam o expansionismo ou justificavam este, como Friedrich Ratzel na Alemanha é utilizada com precisão no discurso segregador. Embora, os novos nazistas suecos não se digam racistas (piada…), eles se baseiam no mito de uma “cultura pura” e esta não admitiria interferências ou competição. Ou seja, se substitui a espécie pela raça e agora pela “cultura” e temos uma nova desculpa para uma luta desenfreada nesta nova “Seleção Natural do Darwinismo Social” engendrado na cabeça desses malucos. Mas a culpa… Ou responsabilidade se preferirem pelo caos social que brota no horizonte tem relação, direta, com o caos que encobre a Europa com o lucro da “indústria da migração de refugiados”. E como reação a um processo marcado pelo conflito e choque cultural não se responde com a firmeza do estado de direito e rigor da lei, mas sim da expansão do estado sobre o indivíduo que já não consegue mais viver em comunidade.

Sempre tivemos mais peso das versões dos fatos do que análise dos fatos, mas agora, com a internet e as redes sociais, as versões se impõem e os leitores não procuram mais por ler e entender o outro, os pontos de vista alheios, nem que seja para criticá-los com mais fundamento. Isto fica evidente quando de um “os judeus não foram as únicas vítimas do Holocausto”, o que é verdade para “existe uma conspiração sionista internacional que torna a resistência física e agressiva contra os governos legítima”, o que é um sofisma e uma mentira grosseira. O doido nessa história toda é que de uma simpatia e interesse mútuo de nazistas e governos muçulmanos no século passado (contra os judeus), o nazismo contemporâneo baseado no mito de uma “cultura pura” que se perde tem a todos os estrangeiros como seus inimigos, sejam imigrantes sejam de alguma religião minoritária em seus países, como os judeus. E a justificativa factual, crimes cometidos por imigrantes que têm sido relevados e um crescente problema com comunidades que não se integram cresce para uma situação caótica em que o medo é explorado em benefício de um movimento que prega o mito do “homem nacional” (similar ao “novo homem” do comunismo), do estado e da “preservação da cultura”, o nacionalismo como refúgio. Os canalhas… Venceram.

Triste.

 

Anselmo Heidrich

15/01/2018