Vamos falar de Jair M. BOLSONARO…

Não, não será uma análise exaustiva, apenas tratarei de 4 questões relacionadas a suas opiniões, pelo menos a algumas que ele tem manifestado com frequência.

Para ser didático vou dividir em pontos positivos e negativos.

E não focarei na crítica a sua forma de se expressar, que é o que mais se vê “xucro”, “irascível”, “grosso” etc. Não que eu despreze a forma, mas ao ressaltarmos ela perdemos o que há de mais importante.

O que há de BOM na candidatura de Bolsonaro?

1) Ele é o candidato mais enfático no trato da SEGURANÇA PÚBLICA. Ele dá ênfase necessária à REPRESSÃO. E assim, recuperação, ressocialização por si só não são, nem nunca foram suficientes para garantir a segurança pública. Isto é tão óbvio que se torna difícil compreender quem não compreende isto. Muitos que rejeitam o nome de Bolsonaro à presidência pensam ou imaginam que ele vai acabar simplesmente com os Direitos Humanos. Tolice. Mas, com certeza, ele tentará por limites ou freios aos exageros do “garantismo jurídico” que torna os tais direitos mero eufemismo para privilégios. E, sem dúvida, ele tem razão ao dizer que nosso Código Penal está defasado.

2) EDUCAÇÃO. Sim, este é outro ponto que ele acerta em cheio. Não só por que ele apoia iniciativas de escolas militares, mas por que ele compreende a necessidade da disciplina escolar. E não pensem que é porque eu tenho um histórico de luta contra a doutrinação, porque ele vai endossar outra doutrinação, talvez mais acintosa até, só que com conteúdo diferente, o que não deixa de ser doutrinação também. Então, o quê?! O pior problema da Educação Brasileira não é a doutrinação, embora esta esteja relacionada, mas a INDISCIPLINA. Suas raízes são culturais, por que enquanto sabemos o que é “ser militar”, o “ser civil” é uma névoa, uma grande incógnita e a disciplina dá prumo a tal.

Agora o que há de RUIM em Bolsonaro:

3) ESTATISMO. Não adiante virem dizendo que ele melhorou, Eu não confio. Pode estar sendo bem assessorado, não tenho dúvida disso, mas ele sempre, quando sola na banda dá umas escorregadas que não são ‘escorregadas’ de fato, mas sim seu retorno à essência ligeiramente escamoteada. É como um camaleão que não domina a arte da camuflagem. Sua ideia de favorecer certas substância da indústria mineral formando clusters não é errada em si, mas A FORMA COMO PENSA, SIM. Não é abrindo linhas de crédito especiais – dá-lhe BNDES! – e sim, desonerando o setor para que capitais específicos (smart money) invistam na área que se dará uma alavancagem para a indústria de mineração E transformação. Algo como fez a China em suas Zonas Econômicas Especiais (ZEEs) para atração de capitais. Eu não vejo ele tendo esta noção e sim, apenas o “sentar em cima da mina”, como fizeram nossos governos militares impedindo a concorrência no setor e privilegiando parceiros que formaram oligopólios na mineração. Sem a cadeia produtiva necessária para transformar o produto, a região (Amazônica, no caso) não desenvolve, mas no máximo forma algumas ilhas de prosperidade envoltas por um mar periférico de pobreza que não usufrui daquela circulação de capitais. Ele cita o Vale do Silício como exemplo a ser seguido, mas este não foi um projeto protegido pelo governo americano. O silício não era o elemento produtivo desse cluster, mas sim a tecnologia. Portanto, quando ele diz “se os americanos têm o vale do silício, por que nós não podemos ter o vale do nióbio?” Esta não é a questão, pois os americanos não estão lá minerando silício neste vale e sim utilizando o mineral como um dos elementos a sua produção tecnológica que vem, importado ou não, mas facilitado pela baixa tributação de bens importados. Bolsonaro tem esta noção? Creio que não. Infelizmente, não. Eu gostaria aqui de estar escrevendo justo o oposto, mas não é o que vejo. Daí vamos a outro ponto negativo que considero fundamental…

4) A CHINA. Bolsonaro tem feito o que acho mais deplorável e um PÉSSIMO AGOURO em se tratando de um futuro possível presidente com tintas estatistas: ELENCANDO UM INIMIGO EXTERNO. Volta e meia ele diz que a China “está tomando conta”, “está comprando terras no Brasil”, ou “vai nos transformar em uma colônia” etc. e etc. ESPERE AÍ! ISSO NÃO É A MESMA COISA QUE A ESQUERDA SEMPRE DISSE DOS AMERICANOS COMO JUSTIFICATIVA PARA FECHAR O PAÍS AOS INVESTIMENTOS EXTERNOS PRIVILEGIANDO O MERCADO NACIONAL PARA GRUPOS EMPRESARIAIS LIGADOS AO GOVERNO?!?!?! Pensou em Lula & Cia. pensou certo. Não creio que haja um projeto claro na cabeça do deputado, mas sim uma baita falta de visão clara de como traçar linhas gerais para condução da economia. E não digo isto para entrar no coro tolo de “ele não entende de economia”, afinal o que entendiam de economia, o Lula, a Dilma, o Itamar, o Sarney, o Collor? A questão é a visão geral. Que a China tem um governo comunista que tenta controlar seu país com mão de ferro é uma coisa, mas tentar se isolar dela para evitar um suposto controle externo é o mesmo que não sairmos mais às ruas porque os camelôs estão tomando elas. Daí mesmo que eles tomarão pela nossa ausência e falta de controle. Tem é que se estender um tapete para os capitais chineses que querem investir aqui, assim como para qualquer um que o deseje e se submeta às nossas regras (e que estas sejam simplificadas, substancialmente, claro). Esta fala anti-chinesa não é uma chamada de atenção anti-comunista, mas dita assim, como tantas vezes fez Bolsonaro, não passa de um eco de montadoras sediadas no Brasil contra a concorrência de novas fábricas de veículos chinesas. “Defesa de interesses nacionais” aí é uma piada, não passa de alarmismo e protecionismo estatistas que são o mais do mesmo, só que com outra roupagem ideológica.

*************************

Estes são os pontos relevantes para mim. Dou nota 5,0 ao deputado como candidato à Presidência da República. Tá tá tá, vou melhorar isto, segurança e educação são muito importantes, então ele fica com 6,0, mas não passa disso.

Não votarei nele? Acho que voto, apesar de tudo, mas como Plano B, se o Plano A falhar, o que acho que vai acontecer. Em termos práticos, se não tivermos melhor opção, não terei outra a não ser votar em um estatista no segundo turno.

Triste.

Um bom dia,
Anselmo Heidrich